Atenção: habilite seu browser para o uso de Javascript!

Provisão

Prioridades de tempos de transição


Introdução

Final de ano indica mudanças, e isso se reflete em qualquer ambiente. No meio militar, isso coincide com expedientes um pouco menos sugados – até pela metade em algumas unidades, embora isso tenha sido suprimido nos últimos tempos – e isso reflete os tempos de descanso, necessários a qualquer atividade. Com o grupo militar evangélico é a mesma coisa: o efetivo, se não for variável, estará adotando escalas ou entrando de férias; outros ficarão em cursos e estágios; outros, ainda, estarão dispensados das atividades por razões diversas. Sendo assim, o planejamento indica que tudo esteja preparado para o próximo ano. Nossa finalidade aqui é pensar em mecanismos para que a transição seja benéfica ao grupo, em todos os sentidos.

1. Transição entre diretorias

Algo comum é a transição entre uma diretoria e outra, que faz parte do trabalho, sobretudo diante da movimentação de seus integrantes ou da troca de alguns deles, devido ao término do prazo de mandato. Para não haver interrupção do exercício do trabalho, é bom que se esteja, em primeiro lugar, consignado num estatuto ou regimento interno do grupo militar evangélico as atribuições de cada um dos cargos e as hipóteses de vacância.

Em qualquer estrutura organizacional, é importante que haja a delegação de atribuições de um membro constituído a outro, de modo a preservar o que já tem sido feito. Enfatizamos: um membro a outro. Problema enfrentado em muitas unidades é o de haver vacância “completa” do trabalho, geralmente pautado na colaboração de um elemento externo, como um civil ou integrante de determinada igreja da comunidade. Isso, a nosso ver, quebra a estrutura, e não é saudável para o andamento do grupo; afinal, o trabalho autorizado está atrelado à cadeia de comando, e dela deve obter tanto o devido consentimento para funcionar quanto o elemento de passagem de um exercício a outro.

Assim, se um oficial orientador – ou praça mais graduada, na mesma função – está de partida, ele deve buscar um sucessor antes de deixar a unidade e se movimentar, e não esperar que o Comando o faça. E se não houver nomes? Alguém do efetivo remanescente pode assumir essa incumbência de modo temporário, até passá-la a quem de direito, que será devidamente nomeado e considerado responsável pelo grupo.

Quando há possibilidade de uma nova diretoria ser nomeada antes do término de um ano, isso deve acontecer com alguns meses de antecedência e de modo a que os próximos integrantes já contem com estrutura. Assim, não se corre o risco de ver o trabalho começando a cada ano, causando desgaste a quem fica e confusão a quem ingressa.

2. Planejamento

Continuidade requer planejamento. Desse modo, é indispensável que nova e antiga diretorias se reúnam para compartilharem experiências e planejarem como será o novo ano. Um estudo completo e detalhado, tanto sobre o que deu certo quanto sobre o que foi problemático, é desejável para as próximas etapas.

Sem o devido planejamento, muitas atividades produtivas podem ficar comprometidas. Além disso, a variabilidade é importante para o desenvolvimento dos trabalhos, conquanto elas estejam relacionadas à atividade principal do grupo, que é a de comunhão, auxílio mútuo e de fortalecimento espiritual de seus membros. Um grande problema é buscar, nesse planejamento, encaixar diversas atividades para que todos a executem: com qual finalidade? São, de fato, atividades importantes para o crescimento do grupo ou algo meramente lúdico? Pior: elas constituem um fardo a mais para todos, especialmente os que estão por trás do planejamento? Triste é ver que as principais atividades planejadas e realizadas por alguns grupos resumem-se a “culto na igreja tal”, ou “participação no show (!) do cantor gospel tal”, “organizar mostra de filmes evangélicos” ou mesmo “workshops de assuntos ligados – em tese – à vida cristã”, sendo que, disso tudo, pouco ou nenhum proveito há para o desenvolvimento das finalidades do grupo militar evangélico. Lembre-se o leitor, sempre: não há que se confundir o grupo com igreja, tampouco bolar o paisano “estratégias” para que o grupo venha a crescer. Não tragamos, para o grupo, os vícios da imensa maioria das igrejas.

3. Pendências

Certamente há pendências que, se não forem resolvidas a tempo, comprometem diversas áreas, inclusive o nome do grupo. Para que se evitem dissabores, é importante que o responsável pelo patrimônio e finanças do grupo entregue as contas em ordem. Ativos devem ser passados de modo transparente a quem fica na diretoria; passivos devem ser resolvidos antes que o ano acabe. Em último caso é que o grupo será procurado para pendências financeiras excepcionais. Nas demais situações, o estatuto e seu regimento interno já devem dar a destinação correta do patrimônio e demais ativos financeiros.

4. Permanência de diretoria

Na permanência da mesma estrutura organizacional, pensamos que todas as soluções já comentadas sejam adotadas para fins de planejamento e execução do novo ano de trabalho. Esse é o momento ideal para a agregação de ideias e de pessoas dispostas a ajudar; é desejável, também, agregar experiências trazidas de intercâmbios, congressos, encontros e retiros com outras uniões militares evangélicas, adquiridas ao longo do ano.

Conclusão

Fim de ano é tempo de reflexão, e isso pode ser usado com bom proveito nos trabalhos da união militar evangélica. Parar para pensar nas próximas etapas revela zelo com a obra e compromisso com o Senhor da obra. É preciso lembrar disso não como uma “boa obra” a ser realizada perante o Senhor, mas como algo que, realizado para a glória de Deus, haverá de causar bom e significativo impacto naqueles que usufruirão, direta ou indiretamente, da comunhão desenvolvida pelo grupo.

Bom Ano Novo a todos. Deus os abençoe.




RecuarPara o alto


Exare suas ponderações
Nenhuma ponderação adicionada.
Gostaria de ser o primeiro?
Preencha o formulário ao lado.

Comente o texto
Nome:  

Cidade:  

E-mail (não será publicado):  

Comentários:  

» Você pode digitar mais 1024 caracteres.
Digite a seguir o que você lê abaixo:  
457Mk3T


 

Importante: utilize este formulário para ponderar somente sobre o texto acima. Comentários sobre a nossa página devem ser postados na seção Contato.
Busca de Artigo
Busca

DTM - Dicionário de Termos Militares
Termos, gírias e expressões da linguagem militar do dia-a-dia. Consulte:

Interatividade
RSS Militar Cristão Militar Cristão no Facebook Militar Cristão no Twitter Assine abaixo o Boletim de Notícias
E-mail: